quarta-feira, 12 de março de 2014

RESENHA: Serena

“Nesse trabalho aqui a linha entre o que as pessoas imaginam e o que é de fato verdade pode ficar bem borrada. Para falar bem sério essa linha é uma grande área cinza, onde você pode até se perder. Você imagina coisas - e pode fazer elas virarem realidade. Os fantasmas viram verdade. Isso está fazendo sentido?” (MCEWAN, pag.163, 2012)

Serena Frome foi uma agente do MI5 e essa é a sua história. A história de como ela se tornou uma espiã e também a história de suas missões, mas essa é, acima de tudo, a história de seus amores.

Narrado em primeira pessoa com o olhar distante e fala a despreocupada de uma Serena que já passou por tudo sobre o que fala e agora apenas recorda, o livro é lento e apresenta poucos diálogos.

Confesso que tive problemas em me envolver com a história e uma das razões para isso é que é difícil saber ao certo sobre o que se está lendo. A impressão é a de que se recebe uma enxurrada de informações a cada página sem saber ao certo quais são importantes e quais estão ali apenas para levar o leitor a algum outro lugar.

Outra coisa que atrapalhou o meu envolvimento foi a sensação de que tudo o que a protagonista nos conta é efêmero. De uma forma ou de outra, sabemos que nada daquilo perdurou na vida dela. Não adianta ficarmos ansiosos porque o que está prestes a vir também está prestes a se esvair, mais cedo ou mais tarde.

A verdade é que “Serena” é sim uma história sobre espiões, mas não é uma história sobre espionagem. É uma história sobre relacionamentos, decisões e consequências e enquanto a voz de Serena nos conta tudo isso, a personagem soa extremamente real, embora paire em cada frase a sensação de que só conhecemos dela aquilo que ela quer que conheçamos.

É por fazer o leitor sentir dessa forma que Ian McEwan se revela um narrador espetacular. Reconheço que não gostei do livro tanto quanto imaginava e em alguns momentos o considerei até mesmo enfadonho, mas ao chegar ao final é impossível não reconhecer que o autor esteve atento aos mínimos detalhes, fazendo até com que eu ficasse com vontade de reler um livro que nem estava certa (e ainda não estou) de ter gostado ou não. Não entrarei em detalhes para não arriscar revelar mais do que seria adequado. Basta dizer que mesmo ao reler apenas os quotes que havia selecionado para esta resenha percebi o quanto havia por trás das palavras de McEwan e o quanto da história o autor não revela na tentativa de deixar que o leitor a descubra por conta própria.

É por isso que eu digo que “Serena” é um livro do qual não se deve desistir, mesmo que em alguns momentos se fique tentado a isso. Dizem que o desfecho é o mais importante porque o final do livro é o que fica. No caso de “Serena”, é o melhor que poderia acontecer.

Título: Serena
Autor: Ian McEwan
Nº de páginas: 382
Editora: Companhia das Letras

6 comentários:

Nardonio disse...

Não conhecia esse livro, nem o autor. Só posso dizer que ele não me chamou a atenção. Sei lá, acho que não bateu aquela química comigo. Mesmo que não seja em todo o livro, essas passagens enfadonhas acabam me desestimulando.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Não conhecia esse livro, e estou na duvida se quero ler. Seus primeiros comentários me lembraram de Alias e fiquei empolgada, mas aí você falou que é lento e enfadonho e desanimei um pouco. Mas se o final faz valer a pena, vou considerar a leitura. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Poison Girl disse...

Não gosto de livros com poucos diálogos, isso sempre me deixa entediada, mas pode ser que eu faça algum esforço para ler este livro, pois suas considerações me fez ficar curiosa para ver como o enredo é desenvolvido.

http://worldbehindmywall.fanzoom.net/

Laura Zardo disse...

Eu comprei este livro já faz um bom tempo e ainda não li, não que eu não tenha vontade, até tenho, mas outros acabaram passando na sua frente. Com certeza não vou desistir deste livro, pois desde que bati o olho nele sabia que teríamos uma linda história juntos, independente do tempo que demorar para isso acontecer. =)

Desbravadores de Livros disse...

Que resenha deliciosa, Mari.
Fiquei tentada a ler o livro pelos seus argumentos no final. Uma história arrastada, com uma narrativa pesada e nada fluída, não é o meu forte. Não consigo me prender numa obra que pouco passa, pouco transmite e nada oferece.
Mas, nesse caso, com o desfecho diferenciado, talvez eu conseguiria deslanchar na leitura só por ter sede em saber o que acontece no final de tão inesperado assim.
Confesso que não gostei da capa, mas não vou levá-la ao julgamento hahaha.

M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso Top Comentarista

Michelli Santos Prado disse...

Olá Mari!! Tudo bem??
Não conhecia este livro,mas achei bem interessante ele por se tratar de uma vida de uma espiã, mas ao começar a ler a resenha imaginei que seria mais "eletrizante"mas ao finaliza-la pude entender que a proposta do livro era esta.Mas achei super válido e entrei ele na lista de desejados, e anotei a dica em relação ai final!!
Beijos ♥

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger