sábado, 19 de maio de 2018

RESENHA: Todos os Pássaros no Céu

Todos os passaros no ceu Charlie Jane Anders
Todos os Pássaros no Céu me chamou atenção pela promessa de mesclar fantasia com ficção científica. E embora o livro conte com os elementos destes gêneros, a estória não entregou exatamente o que eu esperava. 

Quando crianças, Patrícia descobre a magia, enquanto Laurence a tecnologia. Ambos são crianças excluídas e ignoradas na escola, de modo que aos poucos eles se aproximam e se tornam amigos. A amizade não resiste, mas dez anos depois eles se reencontram e o mundo está prestes a terminar em uma batalha entre a ciência e a magia. E cada um deles está de um lado do tabuleiro. 

O primeiro aspecto a ser destacado são os protagonistas. Ambos contam com famílias desestruturadas, além de enfrentarem bullying nos corredores da escola. Assim, tanto Patrícia quanto Laurence convivem com essa pesada carga emocional e buscam um futuro melhor por vivenciarem e se desenvolverem neste cenário adverso. 

Durante as primeiras cento e setenta páginas, acompanhamos os protagonistas durante sua infância/adolescência, e a sensação que tive durante esta parte da leitura foi de “mal necessário”. Ou seja, fiquei com a impressão de que para entender o cerne da estória, precisávamos conhecer tais eventos, mesmo que eles não fossem muito interessantes. O problema é que além dessa parte ser um pouco entediante, ela também peca por transmitir a ideia de um livro extremamente juvenil, sendo que posteriormente a estória assume um tom mais adulto, causando uma discrepância perceptível de estilos narrativos. Creio que se a autora tivesse optado por utilizar flashbacks, estes problemas poderiam ter sido evitados. 

“— Sabe ... não importa o que você faça, as pessoas sempre vão esperar que você seja alguém que não é. Mas se for esperta, sortuda e se ralar de trabalhar, vai se cercar de pessoas que esperam que você seja a pessoa que gostaria de ser.” (ANDERS, 2017, p. 211)

Mas o que realmente me incomodou é que, mesmo após o “mal necessário”, a estória continuou a dar a impressão de que estava patinando. Por um lado, vemos uma evolução dos personagens, sendo interessante ver como suas vidas voltam a se cruzar tantos anos depois e o impacto que causam um no outro. Entretanto, a leitura se tornou maçante por que parecia que nada estava acontecendo, inexistindo um senso de progressão da estória. Além disso, outros aspectos da estória não são convincentes o suficiente, porém, não vou entrar em detalhes para evitar spoilers. 

Outro aspecto um pouco frustrante foi a ausência de um melhor desenvolvimento do sistema mágico. Não entendemos por que, em determinados momentos, Patrícia consegue evocar magia e em outros não. Posteriormente, depois que ela frequenta a escola de magia, recebemos algumas explicações sobre o assunto, mas as mesmas são extremamente superficiais. 

No fim das contas, quando encerrei a leitura, cheguei à conclusão de que a autora não tinha uma ideia clara de qual seria a estória que desejava contar, de modo que optou por atirar para todos os lados e, evidentemente, não acertou em nenhum alvo. 

Todos os Pássaros no Céu é o típico caso de uma ideia promissora que teve uma execução fraca

Título: Todos os Pássaros no Céu
Autora: Charlie Jane Anders
N.º de páginas: 474
Editora: Morro Branco

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

13 comentários:

Daiane Araújo disse...

Oi, Alê.

Mesmo podendo causar no leitor diversos sentimentos, até mesmo estranheza, é possível salientar que, apesar da disputa mostrada, por os personagens estarem em lados opostos, o livro mostra que ambos não são mal intencionados, justamente por eles estarem buscando o que eles tanto queriam, enquanto eles eram crianças.

E, isso, foi o que despertou a minha vontade em lê-lo.

No entanto, é uma pena que a autora tenha se perdido no meio caminho, pois realmente, o livro tem um bom enredo apresentado.



Ludyanne Carvalho disse...

Ah, chato quando isso acontece.
Eu acho a capa muito bonita, mas esse livro nunca me chamou atenção.
Já vi outras pessoas comentando o quanto se decepcionados.
É uma história que tinha tudo pra ser ótima, mas a autora se perdeu no caminho. Uma pena.

Beijos

Gabriela CZ disse...

Nem conhecia o livro e já me decepcionei, Alê. A premissa realmente é ótima, mas se a autora não soube aproveitar não adianta. Ótima resenha.

Beijos!

Adriana Moreira disse...

Oi, Alê!
Que pena que você se decepcionou um pouco com a finalização da história! Esse é um dos livros que quero muito ler, pois tinha visto muitas resenhas positivas sobre ele. Não cheguei a desanimar de ler por causa de sua resenha, mas vou dar mais um tempo. No final das contas, é melhor ler sem muitas expectativas e se surpreender depois, não é?
Ótima resenha! Valeu pela dica!
Grande abraço,
Drica.

Ps Amo Leitura disse...

Gostei da sinceridade da sua resenha.
Confesso que adoro fantasia e ficção científica e a mistura de ambos me desperta muito interesse.
Tenho esse livro, mas após os comentários, vou deixar um pouquinho mais na minha estante e focar em outras leituras.

Beijos,
Blog PS Amo Leitura

RUDYNALVA disse...

Ai Alê!
Tem tido muito desse tipo de livro ultimamente, não é? Que vendo uma ideia bem promissora, porém quando chega no desenrolar da leitura, torna-se sem sentido, sem nexo, sem conexão... uma pena!
Maravilhosa semana!
“Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente. A maioria das pessoas nunca ouve. “(Ernest Hemingway)
cheirinhos
Rudy

Giovanna Talamini disse...

An-nyong-se-ha-yo!
Poxa, odeio livros que acabam me deixando com preguiça de ler. É aquela histórinha que fica mais parecendo uma rotina tediosa. É por isso que muitas vezes acabo deixando alguns livros de lado, e esse meu jeito acaba me irritando, mas ah, nem sempre é minha culpa né? kk

Alice Duarte disse...

Oiii Alê

Realmente a idéia é diferente, interessante, mas quando o autor falha na execução, aí não tem boa premissa que se salve. Uma pena.

www.derepentenoultimolivro.com

Nicole Longhi disse...

Poxa, que pena a autora não soube executar uma trama que teria tudo para ser super promissora.
Gostei bastante da premissa, já que adoro com livro de fantasia com magia. Achei bem legal duelo magia x tecnologia.
A trama teria tudo para ser incrível.

beijinhos
She is a Bookaholic

Marlene Conceição disse...

Oi Alê.
Uma pena que a leitura não tenha sido tudo o que você esperava, eu já tinha visto falar do livro, porém confesso que ele não me chamou a atenção não, por outro lado, fiquei feliz em saber que tem uma certa evolução nos personagens, o que eu particularmente gosto muito quando acontece, mas enfim, adorei essa capa, mas não acho que essa seja uma leitura para mim.
Bjs.

Luana Souza disse...

Ah que pena que a história ficou confusa, não gosto de terminar um livro com essa sensação também porque sou muito curiosa então preciso ter todas as explicações. Mas a ideia foi bem bacana, juntar dois mundos um com magia e outro com a tecnologia com duas pessoas diferentes que ao mesmo tempo passavam por situações tão semelhantes. Uma pena mesmo que a autora tenha se perdido.

Ana I. J. Mercury disse...

Pareceu-me bem chatinho e sem sentido mesmo.
Parece que faltou base e um melhor desenvolvimento.
Acho que não vou ler então, não.
bjs

Marta Izabel disse...

Oi, Alê!!
Não conhecia muito essa história mas fiquei bem decepcionada pois adoro livro que falem sobre magia. E é uma pena que a história não foi bem desenvolvida!!
Bjos

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger